8 coisas de Stranger Things que evoluíram com a tecnologia – Wavemax Internet

8 coisas de Stranger Things que evoluíram com a tecnologia

Netflix deve repensar o alto orçamento de suas produções originais
5 de julho de 2019
Ubisoft fatura mais com PC do que com Xbox e PlayStation
19 de julho de 2019

8 coisas de Stranger Things que evoluíram com a tecnologia

A 3ª temporada de Stranger Things estreou batendo recordes e mais uma vez nos transportou para meados dos anos 80, com todas as deliciosas referências dessa época. A produção foi bastante meticulosa ao homenagear os grandes ícones da época, como as fitas cassete e bicicletas, a roupa, a música e tudo o que povoa nossa memória afetiva.

Aproveitamos para dar uma espiadinha em alguns itens que evoluíram bastante nesses 34 anos que separam 2019 de 1985.

Toca-fitas/Walkman/Fita cassete >>> Streaming

Quem tem lá mais de 35 anos ainda pegou um pouco da época em que as pessoas usavam canetas para rebobinar fitas cassetes. Isso economizava bastante as pilhas dos Walkman. Nessa época, o grande charme da coisa toda era poder montar mixtapes para o amor de sua vida — que tinha que ouvir as faixas na sequência, porque, bem, era meio chato avançar para a próxima canção.

Hoje, como todos sabemos, o conteúdo nem mesmo fica armazenado no dispositivo de reprodução e tudo vem direto da nuvem, via streaming.

Videocassete/VHS >>> Streaming

Em 1985, quando se passa a 3ª temporada, os lançamentos do cinema estadunidense demoravam 2 anos para chegar ao Brasil. Depois disso, eram mais 2 anos até o filme sair dos cinemas e chegar às locadoras. O mercado de VHS bombava porque haviam versões piratas muito disputadas e, embora a qualidade nem sempre fosse boa, era uma maneira decente de guardar os filmes — até hoje algumas delas funcionam, com os chuviscos, claro.

Como era quase tudo mecânico, era relativamente fácil resolver em casa alguns “problemas técnicos”, já que às vezes era só limpar ou encaixar direito alguma peça. Da mesma forma que as fitas e os Walkman, trocamos isso tudo pelo streaming.

RPG >>> MMORPG

Dungeons and Dragons e a jogatina de interpretação de Mike, Dustin, Lucas e Will sempre vão existir — e tem bastante gente que continua seguindo o antigo protocolo em suas aventuras, com dados, mapas e tudo mais. A maior diversão era justamente brincar muito mais com a imaginação do que com modelos prontos.

Hoje a grande vantagem é não depender de todo mundo no mesmo local para curtir uma aventura. Todos os cálculos são automáticos e os gráficos de última geração descrevem bem a visão do criador das histórias. O papel, a caneta e a rodinha de amigos foram substituídos pelas jogatinas massivas online em tempo real.

Máquina fotográfica >>> Smartphone

O personagem Jonathan vive com uma máquina fotográfica para cima e para baixo e já vimos imagens sendo registradas em uma Polaroid, que fazia a “mágica” de imprimir a foto na hora.

Esse conceito foi levado a outro patamar com a miniaturização de componentes e hoje podemos ter resultados incríveis com as pequenas lentes e os minúsculos sensores dos celulares. As máquinas profissionais ainda existem, mas diz aí se Nancy não teria muito mais agilidade para registrar seus flagrantes jornalísticos?

Disquetes >>> Nuvem

Em meados dos anos 80, os disquetes tinham 8 polegadas, 5 ¼ polegadas e 3 ½ polegadas, com capacidade de armazenamento que variava entre 80 kB e 1.44 MB. É claro que para rodar eram necessários também os drives específicos para cada tamanho. Era assim que armazenávamos e transportávamos os apps, jogos, documentos e outros dados.

Hoje raramente usamos pendrives para isso porque quase tudo está sendo jogado na nuvem, que pode ser acessada por diferentes dispositivos.

Rádio >>> Smartphone

O rádio foi amplamente utilizado nos anos 80, mesmo com o avanço dos meios de comunicação. Dustin e sua turma vivem falando no Walkie-Talkie e tentando captar ondas perdidas por aí e o final da 3ª temporada tem tudo a ver com isso.

Hoje, graças à miniaturização dos componentes, podemos usar a tecnologia do rádio de diversas formas, especialmente em smartphones — além de podermos efetivamente escutar AM ou FM no próprio dispositivo.

TV >>> Smart TVs

Assistir a novela Roque Santeiro na TV em meados dos anos 80 era um verdadeiro evento — afinal, as famílias tinham uma ou duas telas em casa, no máximo. Embora houvessem menos opções e todo mundo tivesse que ver a mesma coisa simultaneamente, a interação com os amigos e familiares em torno de uma atração era mais próxima.

Se não há mais aquele calor humano atualmente, a evolução nos trouxe muito mais conforto e alternativas de consumo de conteúdo. E, né, as smart TVs ultimamente têm acompanhado os vários outros displays portáteis que carregamos individualmente nos dias de hoje.

Windows 1.0 >>> Windows 10

Antes da primeira versão do Windows, todo mundo era obrigado a entender DOS, Basic, Assembler ou alguma outra linguagem para conseguir aproveitar o mínimo que os computadores pessoais tinham a oferecer.

O software da Microsoft ainda não trazia a sobreposição de janelas pelas quais ficou famoso, mas facilitou o acesso às ferramentas das máquinas em um sistema operacional com algumas funcionalidades básicas.

Com o Windows 10, a preocupação é integrar com mobilidade as várias plataformas em diferentes dispositivos, incluindo tecnologia de armazenamento na nuvem e ações com inteligência artificial.

Fonte: TecMundo